17.5.09

Abaixo de cem pratas


Esse papo de dizer que vinho francês tem de ser caro é coisa do passado. A turma acordou. Primeiro foi a Provence, em seguida o Languedoc Roussillon (Sul da França) e agora Bordeaux. Em breve será a Borgonha. Champagne, representada pelas grandes marcas, vai muito bem, obrigada. O Brasil voltou a ser prioridade lá fora. Vai se levantar da crise antes dos americanos e europeus, se é que caiu. A vice ministra francesa do Comércio Exterior, na Expovinis, disse que a França pretende ter 10% do mercado. Vai ter de arregaçar as mangas, ainda falta dobrar de volume.
Abaixo de 100 reais tem vinho de Bordeaux bom como os já citados e vou defendê-los. Esse papo de “entry level”, ou se preferir “cœur de marché” ou vinhos para os que se iniciam, tem um papel fundamental na educação do paladar. Quem tem hábito de chileno e ficou fazendo esta escolha nos últimos anos limitou sua evolução gustativa, escolheu como porta de entrada no mundo dos vinhos uma escola menor, que prima pelos artifícios industriais, especialmente nos vinhos mais acessíveis. Chegaria ao limite de dizer que o cachimbo, neste caso, deixou a boca do enófilo torta.
Se quero educar meu paladar e me iniciar nos vinhos com um orçamento limitado, como qualquer um que estuda, devo começar pelos clássicos, no caso pelas escolas tradicionais, a saber, França, Itália, Portugal e Espanha, em resumo, o Velho Mundo. Depois, só depois, irei ao Novo Mundo. Neste, por puro nacionalismo, vou primeiro de Brasil.
Com os clássicos bebo na fonte. Tenho a base para minha evolução e não preciso me restringir a uma só região, posso descobrir denominações, castas e terroirs que me farão viajar por estilos e abordagens distintas do vinho. Num aprendizado enriquecedor e diversificado.
No Velho Mundo não tem essa de ficar repetindo o mesmo bom vinho eternamente. Passeie na gôndola e pegue um vinho de Mâcon (Borgonha), um Saint Amour (Beaujolais), um Sancerre (Loire), um Fitou (Languedoc), um Grave ( Bordeaux) e descubra a diversidade, a elegância, a raça e a expressão da vinicultura francesa. Fique tranqüilo todos podem ser encontrados por menos de 100 reais.

Convido cada importador, representante ou simples consumidor que se encantou com um bom vinho europeu que diga qual foi seu vinho MUITO BOM, escala ABS, que custou menos de 100 reais.
Vou a atirar a primeira pedra como manda a Lei e mais algumas pra não dizer que conheço apenas um, a exceção, que comprova a regra.
Espumante: Bulle de Blanquette Nº1 da Sieur d’Arques no Duty Free por 16 US$, Crémant de Limoux Cuvée 1531brut da Aimery no Zona Sul, 38 reais, AOC Corbières Château Ribaute Cuvée François le Noir uns 80 reais, Bordeaux Château Grand Rivallon Saint Emilion Grand Cru102 reais, Cuvée Mythique Vdp d’OC branco na casa dos 60 reais, Château Etienne de Lauzes cuvée Yneka AOC Saint Chinian 100 reais, e muito mais.

3 comentários:

Schiffini's disse...

Caro Rogerio,

Vinhos de Bordeaux abaixo de R$ 100,00, não devem ser vinhos de qualidade boa....
Schiffini

ROGERIO REBOUÇAS disse...

Shiffini,
Qualquer vinho de 100 reais ou mesmo pela metade deste preço, deveria ser muito bom. Afinal, estamos falando de uns 35 euros! Por aqui, nesta faixa de preços, compro 1 caixa de Sul da França e pelo menos 2 ótimas garrafas de Bordeaux. Portanto, bem mais barato que na Argentina. Bordeaux, Toscana, Borgonha e mesmo D'Ouro vão ter preços maior pela notoriedade, tradição, preço da terra, e ...qualidade. São mais caros mesmo. No Languedoc Roussillon pagamos quase um "preço produtor", que, ainda, não vende sua reputação e notoriedade, mas paenas seu bom vinho.

Luiz Linhares disse...

Meu amigo de longas datas, Rogério Rebouças, foi com muito prazer que peguei seu contato com seu irmão Renato, que, está fazendo um belíssimo trabalho na Rádio Bandeirante, no qual tive o prazer de participar várias vezes que estive no Rio, já, que, hj, troquei o Rio, por Brasília, desde 2005.
Caso vc não se lembre mais de mim, sou o Linhares, ex Editor do Jornal da zona Oeste, e amigo do Ferrão.
Fiquei feliz em saber q vc está morando e trabalhando na França, e gostaria de trocar umas figurinhas com vc, pois, estive recentemente visitando 8 países do Oriente Médio, onde fiz negócios com vários empresários brasileiros.
Meu email é jornalistalinhares@hotmail.com, e jornalistalinhares@yahoo.com.br
linharesjornalista@gmail.com

Um grande abraço, Linhares